Memórias (não) inventadas

APRESENTAÇÃO

Autor de clássicos mundialmente conhecidos e considerado o mais inspirado dramaturgo do período pós segunda guerra, Tennessee Williams também escreveu peças curtas de grande impacto que não são levadas à cena com tanta frequência.

O presente projeto prevê a montagem do espetáculo Memórias (Não) Inventadas, que reúne dois de seus mais emblemáticos textos curtos: Fala Comigo Doce Como a Chuva e Lembranças de Bertha.

A encenação se apoiará sobre o conceito de memória para retratar as contradições e angústias desses personagens, propondo uma resposta artística singular à obra de Tennessee Williams.

COLABORE E FAÇA ACONTECER ESSE ESPETÁCULO! 

Selecionamos recompensas incríveis para nossos apoiadores, como ingressos para a peça, livros e DVD's exclusivos!

Para essa campanha de financiamento coletivo, dividimos nossa meta em 2 partes:

Meta 1) 12.000,00 para montagem e 2 apresentações.

Meta 2) 20.000,00 para temporada de 16 apresentações no total.

FICHA TÉCNICA

Autor: Tennessee Williams

Diretor: André Garolli

Elenco: Fernanda Viacava, Lara Hassum, Mateus Monteiro,

Cenário e Figurino: Wagner Menegare

Iluminação: André Garolli e Rodrigo Alves

O OLHAR DO DIRETOR

Mostrar a realidade não é a função do teatro na perspectiva artaudiana, pois a realidade cotidiana e direta não se expõe nos palcos. Tennessee Williams apresenta um teatro consoante com esta teoria, pois a exposição de suas personagens e ambiente não constitui uma mimese da realidade, mas, uma problematização da mesma por meio da observação e trabalho de elaboração do autor. 

Como primeiro passo, está a necessidade de contar a história da peça com clareza, para que o público esteja sempre bem amparado e conduzido durante o espetáculo teatral. Em seguida está a procura do diálogo com a linguagem cênica realista, guia para o encontro de uma sintaxe interpretativa da cena.

Como a descoberta de uma trilha, de um rumo, o diálogo torna-se menos pessoalizado, mais profícuo e artístico: falamos, a partir deste momento, em nome da Obra, que é de todos e de cada um.

Elementos como o espaço em que estão colocadas as personagens, o figurino, a iluminação, a linguagem e o lugar que os aprisionam podem ser lidos como máscaras físicas de uma situação social.