Luiz Salgado

No quase longínquo ano de 1983, Luizinho subiu pela primeira vez em um palco, aos 7 anos de idade, no auditório da Rádio Clube de Patos, em Patos de Minas – MG. Obviamente, ele não sabia que mais de uma década depois, estaria vivendo da cantoria. Como diria Gilvan de Oliveira, a “música é vocação, profissão e ofício”. E assim, o tempo foi se passando, e a colcha de retalhos musicais foi sendo tecida, despretensiosamente... mas quando se olha pra trás, percebe-se a trama formada pelos fios, com pontos firmes, costurados desde sempre. Hoje, Salgado canta sua terra, seu povo, seus costumes e saberes. Com 4 CD’s e 1 DVD lançados, ele traz dentro de sua viola as Folias de Reis, as Congadas, toadas, pagodes de viola.

A campanha para o novo CD

Para continuar tecendo essa colcha de cantorias, firmamos essa parceria com o PARTIO, um site de CONQUISTAS CULTURAIS, uma vaquinha virtual, apoiada por quem gosta: uma via de mão dupla, onde quem contribui recebe recompensas e ajuda a cultura a continuar nos trilhos.

Luiz Salgado é um artista independente, que busca possibilidades para realiza seu trabalho.

A gravação do CD "Quanto mais meus óio chora, mais o mar quebra na praia" ajudará a multiplicar essas possibilidades,  mostrando como o artista está, pois artistas que são como rio (correnteza),  têm sempre composições novas, músicas novas, idéias que, se não registradas, acabarão se perdendo...

A intenção da campanha com o PARTIO, é justamente essa maravilhosa possibilidade de poder circular o trabalho e materializar a criação.

Nossa meta

Com o dinheiro da arrecadação através da plataforma PARTIO,  vamos realizar as seguintes etapas:

Sobre o artista

Luiz Salgado é um cantador do Cerrado mineiro. Desenvolve um trabalho fincado na expressão musical arraigada no Brasil profundo, na música que emana do que há de mais autêntico e genuíno da tradição das festas populares, da folia de reis, do congado e da viola caipira. No seu ofício de cantador faz de sua viola não só um instrumento musical de trabalho, mas também uma ferramenta de combate. Com seus acordes, ponteados e versos, canta o cerrado, o mato, a prosa, o causo, tornando sua música uma atitude diante da cultura e da vida, imprimindo uma maneira de ver o mundo e celebrar a beleza da tradição, da natureza, dos costumes e do folclore dessa região de Minas Gerais.