Amarelo Distante

O monólogo “Amarelo distante” fala de descobertas, solidão e dor. Baseada em dois contos do escritor gaúcho Caio Fernando Abreu (“Lixo e purpurina” e “Anotações sobre um amor urbano”), a peça trata da busca pelo autoconhecimento, através da história de um jovem e suas experiências em terras estrangeiras. Nos anos 70, Caio F. se exilou em Londres, onde se deparou com a sensação de estrangeirismo em todos os sentidos, a precariedade em decorrência da falta de dinheiro, sentimentos ambíguos e saudosos do Brasil, da família e dos amores do passado, do presente e possivelmente do futuro. Foi a partir dessa necessidade de comunicação que ele escreveu um diário, mistura de ficção e realidade, que é o fio condutor da história. 

Em fevereiro de 2016, mês em que se completam 20 anos da morte de Caio Fernando Abreu, estrearemos a peça “Amarelo Distante” na Sala Experimental do Teatro Augusta, ficando 2 meses em cartaz. Para isso, na ausência de patrocínios ou subsídios estatais, recorremos ao crowdfunding, sistema de financiamento coletivo absolutamente democrático, em que você escolhe que projeto quer financiar.

Texto: Kiko Rieser, baseado em contos de Caio Fernando Abreu

Direção: Kiko Rieser

Elenco: Mateus Monteiro

Cenário e Figurino: Cássio Brasil

Iluminação: Karine Spuri

Fotografia: Heloísa Bortz

Arte Gráfica: David Schumaker

Assessoria de Imprensa: Pombo Correio (Douglas Picchetti e Helô Cintra)

Produção: Kiko Rieser e Mateus Monteiro

Realização: Rieser Produções Artísticas

Kiko Rieser: formado em Artes Cênicas pela ECA-USP, já escreveu, dirigiu e produziu mais de dez espetáculos. Dirigiu, entre outras, “Capitu, olhos de mar” (em cartaz por dois meses no Teatro MuBE, realizando depois viagens por 10 cidades do interior paulista), “Na cozinha com a autora” (com Adriana Londoño e Camila dos Anjos). Produziu os espetáculos “Ruas de Barros” (viagens por diversas cidades de SP e MG), “Cabarezinho” (em cartaz por um ano e meio no CIT-Ecum), “Gardênia” (espetáculo em cartaz por 6 anos), “Carta de um pirata” (temporada no Centro Cultural São Paulo) e “Consertando Frank”, indicado a melhor espetáculo no Prêmio APCA, que já cumpriu duas temporadas na cidade de São Paulo. Produziu também o livro “Amor ao teatro”, uma compilação de duas décadas de críticas de Sábato Magaldi, indicado ao Prêmio Jabuti, na categoria Arquitetura, Urbanismo, Artes e Fotografia. Escreveu um romance, “Átimo”, e um livro de poemas, “Lapsos”. Atualmente produz a peça “Volpone”, com estreia marcada para 22/01/2016.

Mateus Monteiro: ator formado pela Escola de Atores Wolf Maya e dramaturgo formado pela SP Escola de Teatro. Na TV participou dos seriados A Grande Viagem, na TV Cultura, e (Des)Encontros, no Canal Sony. Atuou no teatro em diversos espetáculos, como: Antes de tudo, texto e direção de Dan Rosseto, A Ópera do Malandro, dirigido por Kleber Montanheiro, Bull, direção de Flávio Tolezani e Eduardo Muniz, Zona de Guerra, direção de André Garolli, A Todo Vapor, direção de Zé Henrique de Paula. Com a Cia D’Alma de Teatro, sob a direção de Sandra Corveloni, atua como ator, músico e dramaturgista nas peças: L’Illustre Molière (três prêmios Shell em 2012) e Doente, estudos sobre a vida e obra de Molière. Participou também como assistente de direção em peças como: Loucas por Eles, direção de Fernando Cardoso; In Extremis, direção de Bruno Guida; O Rei e a Coroa Enfeitiçada, direção de Cynthia e Débora Falabella; Afogando em Terra Firme, de Alan Ayckbourn, direção de Eduardo Muniz. Atualmente é aluno do curso de mestrado na Universidade Presbiteriana Mackenzie em Educação, Arte e História da Cultura.

Caio Fernando Abreu (Santiago/RS, 12/09/1948 – Porto Alegre/RS, 25/02/1996) foi jornalista, contista, romancista, poeta e dramaturgo. Viveu intensamente a época da ditadura. Suas obras buscavam inspiração em momentos importantes de sua vida. Num estilo econômico e bem pessoal, falam de sexo, de medo, de morte e, principalmente, de uma solidão angustiante.

 

Como a verba arrecadada será gasta:

Aluguel de teatro: R$ 6.000,00

Direitos Caio Fernando Abreu: R$ 1.750,00

Fotos: R$ 200,00

Cenário e Figurino: R$ 900,00

Material Gráfico (banner, cartazes e programas): R$ 470,00

Verba para realização das contrapartidas: R$ 360,00

Taxa Partio (12% do total): R$ 1.320,00

TOTAL: R$ 11.000,00

 

Redes Sociais: Facebook.com/AmareloDistante